top of page

Vem e vê. Ep. 2. São Filipe Apóstolo. Série Vida dos Apóstolos.


A Igreja celebra o apóstolo Filipe em 3 de maio, junto com São Tiago Menor. Como publicamos ontem uma pequena síntese sobre este último, deixamos para hoje publicar algo sobre São Filipe.



Em todas as listas dos nomes dos apóstolos nos evangelhos, Filipe aparece em quinto lugar. Considerados os costumes literários da época, podemos concluir, por isso, que estava entre os primeiros apóstolos junto ao Mestre.



Era de origem judia, mas seu nome era grego, assim como André, um pequeno sinal de abertura cultural.



João nos informa que Filipe é natural de Betsaida, como André e Pedro, cidade sob o governo de Herodes, o grande, igualmente chamado Filipe.



Diz João que Filipe, depois de chamado por Jesus, encontra Natanael e lhe diz ter encontrado o Messias anunciado na Lei e nos Profetas: Jesus, filho de José, de Nazaré. Natanael lhe responde ceticamente: Pode vir coisa boa de Nazaré? Filipe replica com firmeza:


"Vem e vê".

Não se limita ao anúncio teórico, mas convida à experiência com Jesus. Como Jesus mesmo fez quando se aproximaram dele 2 discípulos de João Batista, perguntando: Mestre, onde moras? Vinde e vede, respondeu o Senhor.

Filipe também nos convida hoje. Vem e vê. Encontra o Cristo, torna-te próximo dele, vem conhecê-lo, para depois anunciá-lO. Porque Jesus não é apenas um Mestre, mas um Amigo íntimo.



Depois, por ocasião da multiplicação dos pães, Filipe recebeu de Jesus um pedido específico e surpreendente: onde era possível comprar o pão para saciar a fome de todo o povo que o seguia (cf. Jo 6, 5)? Então Filipe respondeu com muito realismo:


"Duzentos denários de pão não chegam para cada um comer um bocadinho" (Jo 6, 7).

Veem-se aqui a praticidade e o realismo do Apóstolo, que sabe julgar as reais consequências de uma situação. Depois, como correram as coisas, nós sabemos. Jesus tomou os pães e, depois de ter rezado, distribuiu-os. Assim realizou-se a multiplicação dos pães. Mas é interessante que Jesus se tenha dirigido precisamente a Filipe para obter uma primeira indicação sobre o modo de resolver o problema: sinal evidente de que ele fazia parte do grupo limitado que o circundava.



Pouco antes da Paixão, quando estavam todos em Jerusalém, alguns gregos pedem a Felipe para ver Jesus. Ele e André servem como intermediários. Provavelmente Filipe falava grego. Isto nos ensina a estar sempre prontos a aceitar perguntas e pedidos venham de onde vierem, e a levá-los para Cristo, o único que pode atendê-los plenamente. Quando nos pedem orações, lembremos que é a Jesus que devemos encaminhar esses pedidos.



Num outro momento, na Última Ceia, Jesus diz que conhecer a Ele é conhecer o Pai. Filipe pede:


"mostra-nos o Pai e isto nos basta".

Há tanto tempo estou convosco e tu não me conheces, Filipe? Quem me vê, vê o Pai, responde Jesus. Essas palavras, provocadas pelo questionamento de Filipe, contêm uma revelação da verdadeira identidade de Jesus. Deus assumiu uma Face humana na Face de Jesus e, desde então, tudo o que temos de fazer para conhecer Deus é contemplar Jesus. Nele vemos quem Deus é e como Ele é e age.



Segundo alguns relatos posteriores aos evangelhos, dos Atos dos Apóstolos e outros, Filipe teria evangelizado primeiro na Grécia, depois na Frígia, onde teria morrido em Hierápolis, em consequência de um suplício.



De tudo isso, fica o convite: procurar encontrar Jesus como Filipe O encontrou, deixar-nos conquistar pelo Senhor, estar com Ele e convidar outros a participarem dessa experiência e companhia. E assim encontrar a verdadeira vida.


São Filipe, rogai por nós!


Deus abençoe você!


Fonte: Audiência Geral, 6 de setembro de 2006,  praça de São Pedro. Disponível em: https://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/audiences/2006/documents/hf_ben-xvi_aud_20061018.html. Acesso em: 14 mai 2024.

29 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page